sexta-feira, março 10, 2006

A Razão do Limbo (II)

limbo (II)

Uma comissão de 30 teólogos apresentou esta semana ao Papa Bento XVI um conjunto de propostas que visam a extinção do Limbo, assunto que tive a oportunidade de explicar aqui em detalhe no início desta semana.
Do conjunto das propostas apresentadas salientam-se as seguintes:


Eliminação por Implosão

Este método, inspirado por Belmiro de Azevedo aquando da sua intervenção ecológica na península de Tróia, é o que se mostra menos oneroso, evitando custos de realocação das alminhas. A ideia é implodir o Limbo com as alminhas todas lá dentro. Existem no entanto riscos de estrutura: os teólogos não têm a certeza que o edifício celestial aguente a onda de choque e o mais provável é que haja uma derrocada do Céu para o piso do Inferno. Os estudos afirmam que o Purgatório não corre quaisquer riscos, uma vez que se encontra num anexo a uma distância segura das estruturas principais.
As alminhas no Limbo opõem-se veementemente a esta medida, como é natural. As alminhas do Céu apresentaram uma petição a São Pedro numa tentativa de invalidar o processo. E no Inferno já começaram os festejos que comemoram a eventualidade de haver mais parceiros nas orgias diárias.

Eliminação por Sorteio
Consiste em voltar a dar ao Inferno o seu pé direito original, realocando lá as alminhas residentes no Limbo. E sorteando cerca de 10% das alminhas para o Purgatório. Estas últimas poderão inclusivé chegar ao Céu se à chegada ao Purgatório apresentarem o livro de cupões completamente preenchido.
As alminhas do Limbo também se opõem veemente a esta medida. No Inferno este método é selvaticamente apoiado pela associação pedófila «Sempre na Brasa». Não conhecemos nesta altura a posição oficial do Purgatório.

Eliminação por Realocação Total
Consiste em transferir todas as alminhas do Limbo directamente para o Purgatório para, passo a citar, «purificação das almas dos justos antes de admitidas na bem-aventurança». O espaço ocupado pelo Limbo será posteriormente anexado pelo Inferno.
Esta é a solução defendida pelas alminhas justas do Limbo, mas que não colhe junto da totalidade dos ocupantes do Purgatório, onde se afirma que «não precisamos cá desses gajos para dificultar ainda mais o numerus clausus para o Céu».

A Santa Sé está ainda longe de uma solução satisfatória para este problema, sendo que o Papa Bento XVI solicitou um novo conjunto de propostas que se traduzam numa verdadeira comunhão de interesses para todas as partes envolvidas. O grupo dos 30 teólogos, secretamente chamados
pelos seus colegas do Vaticano de «Os 30 Trollgs», voltaram à mesa de negociações com a comissão de condomínio do edifício celeste. Aguardam-se novos desenvolvimentos nos próximos meses.