segunda-feira, setembro 12, 2005

A Razão do Desempregado Compulsivo

a0064-000127
Que Portugal é um país de biscateiros desempregados a mamar do Fundo de Desemprego sem grande vontade de arranjar trabalho já eu sabia. O que eu não fazia ideia era como é que estes parasitas institucionalizados (não, desta vez não estou a falar do Governo) ocupavam os seus tempos livres. Descobri que passam o tempo nas obras. Não é que façam parte das obras… não. Estão lá a observar. A ver se os servo-croatas e os cabo-verdianos deixam aquilo em condições. Afinal de contas as obras estão a ser feitas no nosso país e aquilo é só estrangeirada sobre-habilitada para carregar tijolos e assentar vigas – «é preciso que alguém esteja de olho na merda que aqueles gajos podem fazer! É que os gajos vêm cá chupar-nos o dinheirinho e depois vão embora, e quem tem que levar com a obra somos nós!» dizia-me um deles, sem tirar os olhos do servente ucraniano.
E assim, por cada obra de construção civil existente nesta telenovela mexicana, temos um molhinho de desempregados a observar. Atentos. Críticos. Opinativos. A discutir entre si que o sacana do bósnio tem tanto jeito para aquilo como eles para trabalhar.
O Estado português, essa abstracção incómoda, promove à custa dos contribuintes o aparecimento de um novo tipo de labrego, o «voyeur da obra» pagando-lhes regularmente para coçar a micose à frente de uma qualquer betoneira.
Na semana passada, os «voyeurs da obra» tiveram o seu Stonehenge nacional, financiado pelo Estado e disponibilizado por Belmiro de Azevedo: a destruição das 2 torres. Com um título que parece ter saído da escrita de Tolkien, este evento provocou uma migração de milhares de labregos voyeurs de vários pontos do país, para verem in loco dois prédios a serem implodidos. A dada altura alguém teve a brilhante ideia de reduzir o desemprego em Portugal, convidando os labregos a visitar as instalações alguns minutos antes da derrocada. Mas os madraços, espertos, preferiram mais uma vez ficar de fora e a olhar de uma distância segura – é que demasiada proximidade lhes retira a capacidade de discernimento.

1 comentário:

José António disse...

mas quem é que tem a 'crítica' como livro favorito?!

FUADASSE!!!