sexta-feira, outubro 20, 2006

A Razão da Alegria da Taberna

alegria da taberna
Sócrates:
Agora imagina como se encontra o estado da nossa nação, relativamente à consciência social. Imagina funcionários públicos numa taberna que improvisaram de maneira a transformar aquilo num local de atendimento ao público. Esses funcionários estão ali desde que acabaram a pré-primária, impedidos de saír da taberna vá-se lá saber porque razão. Não fazem a mínima ideia do que estão ali a fazer, nem se mostram grandemente preocupados com isso. Perfilados atrás do balcão, os funcionários públicos estão todos virados para o mesmo lado: a imponente montra da taberna, em vidro fosco. Conseguem aperceber-se que existe vida para além do vidro fosco - vultos passam por lá todos os dias a toda a hora, mas os funcionários públicos não fazem ideia do que são os vultos, até porque que não fazem ideia de que existem pessoas para lá do perímetro da taberna. Consegues imaginar isso?

Glauco:
Sim, consigo. Desde que fui atropelado por 20.000 professores que se manifestavam pelas razões mais absurdas, consigo imaginar tudo. Até uma tribo somali.

Sócrates:
Imagina agora que, do outro lado do vidro fosco, no mundo real, na rua da taberna, estão pessoas que contribuem mensalmente para alimentar aqueles indivíduos especados dentro da taberna, alinhadinhos atrás do balcão, a olhar para o vidro fosco.

Glauco:
Pagam-lhes mensalmente para estar dentro da taberna a olhar para um vidro fosco?

Sócrates:
É verdade. Pagam-lhes para isso e pagam-lhes uns copos. E aí é que a coisa se complica de sobremaneira, porque quando estão com uns copitos a mais, os funcionários atrás do balcão começam a imaginar coisas esquisitas em relação aqueles vultos que passam no vidro fosco. E depois enervam-se muito e manifestam-se, e fazem greves, e reinvindicam merdas.

Glauco:
Fazem greve de quê, se na realidade não estão lá a fazer nada?

Sócrates:
Bem observado. A questão é que eles não sabem que não estão lá a fazer nada. Aquele é o seu pequeno universo. Não fazem ideia que estão enfiados numa taberna situada numa rua movimentada.
Agora imagina se lhes tirassem o vidro fosco e lhes pusessem um daqueles espelhados, que só se vê de dentro para fora?


Glauco:
Bem, nesse caso eles seriam obrigados a tomar consciência que existem pessoas para além daquela taberna.

Sócrates:
Imagina agora que para além do vidrinho último modelo, lhes abrem a porta da rua e obrigam os gajos a atender toda aquela malta que anda lá fora e que lhes paga os copos. Não desviarão eles os olhos, acreditando que tudo aquilo é uma perfeita mentira e que na realidade o melhor é terem o vidrinho fosco e a porta fechada?

Glauco:
Sem dúvida. Mas onde queres chegar com esta conversa, por Zeus?

Sócrates:
Estava só a tentar chegar à conclusão se vale a pena estarmos a perder tempo com estes tipos. Se o melhor não era contratar uma equipa de demolição que arrasasse a taberna de uma vez só, com os gajos lá dentro.

Glauco:
Certamente mestre. Seria uma alegria.


A República dos Bananas, de Humor Negro (Livro VII)