sexta-feira, março 17, 2006

A Razão Verbalizada

verbalizada
«No início era o Verbo». Acho improvável que tenha sido assim no início. Duvido que alguém, no início, tivesse conhecimentos gramaticais para verbalizar seja o que fôr. Na melhor das hipóteses emitiram sons sem aparente sentido que, com a utilização recorrente, lá acabaram por significar alguma coisa. O mais lógico seria mudar a frase para «No início era o som gutural». Parece-me mais fidedigno.
Mas vamos supôr por uns instantes que no início a malta já dominava, por algum desígnio divino, o sistema gramatical. Porque haveria, ainda assim, de ser o verbo no início? Porque não o pronome pessoal? Ou o substantivo? Ou mesmo o adjectivo?
Pensem no vosso início, quando começaram a falar. A primeira palavra que disseram foi um verbo? Claro que não. A maior parte de vocês iniciou a fala com um substantivo feminino ou masculino: mamã ou papá. E levou muito tempo antes que usassem um verbo. Parece-me então óbvio que «no início era o substantivo» e não o verbo.
Uma coisa é certa: «no fim será a interjeição». Oh merda!