terça-feira, novembro 08, 2005

A Razão Alucinógena

alucionogena

Estou a escrever este post num hotel em Amsterdam. Vou-me coibir de vos explicar as razões que me fazem estar neste momento em Amsterdam, e ainda por cima a escrever um post. Imaginem o que vos apetecer.
Há pouco fui à janela do meu quarto no 4º piso e pus-me a ver a vista. Nada de especial a vista. A não ser pelo facto de lá embaixo, ao lado de um parque de estacionamento de bicicletas, estar uma cabra branca a pastar num canteiro. Ora eu vim directo do aeroporto para o hotel e portanto qualquer hipótese de estar perante o efeito secundário de substâncias alucinógenas deve ser terminantemente posta de lado. A cabra é real. E branca. E pasta.
Daqui por uma hora talvez veja um dragão de Komodo a alçar a perna para fazer a sua mijinha territorial na esquina do hotel. Daqui por duas horas talvez me depare com uma anémona descorada a coçar a micose no bar do hotel, tentando encetar uma conversa de engate com uma alforreca escorbútica com problemas de bebida. Talvez até seja confrontado, daqui por três horas, com anões coloridos e besuntados em manteiga a tentar trilhar o mamilo nas dobradiças da porta do hotel, ao mesmo tempo que cantam «Adio adieu» do grande Cid. Talvez veja isso tudo e mais um par de botas. Mas enquanto o space cake que pedi ao room service não chega, vejo uma cabra branca a pastar no passeio.