terça-feira, outubro 11, 2005

A Razão dos Trafulhas

trafulhas

Robin Hood, Robin Hood, riding through the glen;
Robin Hood, Robin Hood, with his band of men.

Feared by the bad,

Loved by the good,

Robin Hood, Robin Hood, Robin Hood!


Os meus receios confirmaram-se. Este povo merece exactamente aquilo que tem: um bando de escroques corruptos que rouba para si em nome do povo.
Em Portugal, e estas autárquicas provam-no, podemos ser corruptos, ladrões, desonestos, bandalhos e javardos, desde que no processo vamos atirando com umas migalhas para o povo. O truque é assumir esta «postura de Robin dos Bosques»: roubar e enganar indiscriminadamente, escapando incólume ao braço da Justiça, que neste momento já se confunde com o Estado, considerado um ladrão maior e despersonalizado.
Quando se questiona que ou há moralidade ou comem todos, os portugueses preferem a parte da comezaina. Para eles não há problema nenhum em roubar ou ser roubado desde que uma parte do quinhão, mesmo que mínima, lhes toque a eles. O culto do espertalhaço continua, infelizmente, bem vivo nesta telenovela mexicana e continua a mostrar-nos todos os dias que, em Portugal, o crime compensa. De facto, isto não é um país mas apenas uma baderna mal frequentada.