segunda-feira, agosto 29, 2005

A Razão da Selecção Natural

seleccaonatural
Um dos (muitos) fenómenos de Verão que me confunde, para além dos turistas que nos invadem, dos emigrantes que regressam, do despertar da música popular portuguesa – vulgo música pimba – e dos preços que sobem, são os homens de camisa aberta e de peito ao léu. Não basta que o Quim Barreiros lance um DVD e que tenha posters espalhados nas paredes de Lisboa?
O que será que passa com essas pessoas que assim que chega o verão, abrem a camisa e andam de peito ao léu? Se a imagem de Portugal (muitas vezes) não abona a nosso favor, com os homens que exportamos nas variadas frentes (política, alvernarias, hotelaria), com estes senhores a andarem na rua a exibirem orgulhosamente a barriga proeminente, as coisas só podem piorar. Não seria tão desesperante se os ditos senhores não fossem todos exemplos daquilo que eles imaginam ser a virilidade do verdadeiro macho latino.
Com a unhaca amarelinha, barriguita disforme, pelos de peito desgovernados enfeitados com o crucifixo (isto sem falar dos outros pelos que saem dos outros orifícios frontais). Mas o desesperante mesmo é vê-los a circular em todo o lado como machos dominantes em busca de presa. Acredito que tivessem melhor sorte se fossem jovens garbosos, de pelagem luzidia e boa dentição.
Caros senhores, as leis da natureza são básicas, ganha sempre o melhor exemplar.

Um post da Ana do 2º Esquerdo em exclusivo para a Razão.