quarta-feira, junho 29, 2005

A Razão da Cova da Moura

covadamoura

Tropecei por acaso num estudo feito na universidade de Cambridge, no Massachussets, onde se avalia o impacto da raça nos padrões de policiamento, aprisionamento e crime. O tema parece chato como a potassa, mas na realidade não é.

Dizem eles que o casting de elementos policiais deve ser definido em função do tipo de cidade ou bairro que patrulham. Isto significa que se o bairro for constituído por uma população de raça negra, os polícias deverão ser negros. Se o bairro for maioritariamente constituído por indivíduos de raça branca, os polícias deverão ser brancos. E assim por diante cobrindo todo o espectro do arco-iris. Um exemplo local: se patrulharem as zonas do Conde Redondo ou Parque Eduardo VII em Lisboa, os polícias deverão ser gays.

As razões deste casting não deixam de ser curiosas. O estudo demonstra que os polícias de uma determinada raça têm uma predisposição danada para lixar a vida aos tipos que não pertencem à sua raça – seguindo o método daqueles rapazes que simpaticamente ajudaram Rodney King a atravessar a rua em Los Angeles, e que culminou na maior revolta popular de que há memória. Por outro lado as raças predominantes de um determinado bairro gostam de fazer apostas chorudas para ver quem acerta primeiro com um zagalote na carola de um polícia que não é da sua raça. Abaixo da cabeça vale menos pontos.

O estudo conclui que, fazendo o casting policial certo, o número de prisões desce consideravelmente (entre 10% a 20%) e os chamados «crimes de propriedade» (furtos de bens pertencentes a outrem) reduzem-se em 20%. Isto porque os polícias são mais tolerantes para com os indivíduos da sua raça, e porque as populações locais colaboram mais facilmente com eles, dando-lhes indicações preciosas para a resolução dos crimes.

Nos «crimes violentos», fazer um casting correcto não tem impacto nenhum, e aqui a côr do polícia é perfeitamente irrelevante. O que interessa aqui é mesmo dar cabo deles e pronto, não se fala mais nisso.

Temos portanto aqui a solução para o arrastão. A partir da próxima semana as patrulhas policiais na Cova da Moura, serão constituídas por um batalhão de somalis perfeitamente untadinhos, e vamos deixar de ouvir falar em arrastões - até porque os habitantes do bairro vão ter dificuldade em andar a direito, em consequência das insuportáveis dores no esfíncter.