quinta-feira, junho 02, 2005

A Razão da Compensação

compensacao
O efeito borboleta é uma teoria romântica mas interessante. Afirma que o bater de asas de uma borboleta num ponto do planeta causa um tsunami no outro lado do planeta. Causa e consequência.
As religiões ocidentais também abordam esta questão com frequência, postulando que toda a acção tem uma consequência, benéfica ou não, dependendo da natureza ética dessa acção. Isto significa que se fôrmos mauzinhos em determinada circunstância, acabamos por receber de volta a paga da nossa maldade. Os anglo-saxónicos expressam isto de uma forma muito simples, na frase “what goes around comes around” – uma espécie de boomerang ético, passível de nos acertar em cheio na tromba quando nos portamos bem, ou quando nos portamos mal. A sabedoria popular também contém uma expressão que se aplica: “cá se fazem cá se pagam” (uma derivada simplista da visão cristã do sistema de admissão das alminhas no céu ou no inferno).
Eu não gosto da designação “efeito borboleta”: remete-me sempre para um universo de paneleiragem inconsequente, fruto de estados de alcoolémia em bares de reputação totalmente duvidosa. Prefiro chamá-la de Lei da Compensação.
Portugal é terreno fértil para a Lei da Compensação. Senão vejamos:
- O Governo é incompetente e mentiroso e em compensação nós pagamos mais impostos.
- Os funcionários públicos são umas aventesmas catatónicas e em compensação os privados têm que trabalhar a dobrar.
- Os portugueses têm o défice mais alto da Europa mas em compensação ninguém tem umas praias melhores que as nossas.
- A produtividade das empresas portuguesas é algo que inspirava um episódio da twilight zone mas em compensação os empresários portugueses gostam de bujardar formas de aumentar a produtividade do país.
- O desemprego vai continuar a aumentar nos próximos dois anos mas em compensação mais gente terá tempo livre para usufruir do tempo solarengo que nos caracteriza.
Perante tanta compensação é de estranhar que sejamos um dos povos mais descompensados do mundo, a julgar pela quantidade de anti-depressivos que mandamos para o bucho diariamente.