quarta-feira, março 23, 2005

A Razão de Saramago

saramago

No que toca ao José Saramago apresento apreensivos sintomas de bipolaridade. Confesso-o. Gosto da obra do homem, mas não suporto o homem da obra. Acho-o uma alimária arrogante e merecedora, não de uma, mas várias tribos somali que lhe dessem um andar permanentemente diferente. Um gajo que se arma ao fino e decide ir viver para Espanha porque se chateia com as liberdades do regime democrático português, não merece o tempo de antena que este país lhe dá. Compreendo perfeitamente que um gajo quando está mal o melhor que tem a fazer é mudar-se. Ora o Saramago mudou-se para Lanzarote, e fez ele muito bem (milhares de invertebrados seguiram-lhe o exemplo no Verão passado, dando origem à maior praga de gafanhotos que aquela ilha jamais conheceu). Agora o que não acho bem é que este estreptococo continue a mandar bitates sobre o país que decidiu deixar. Podia aprender umas coisitas com os invertebrados do Norte de África que se reuniram com ele em Lanzarote: que eu saiba nenhum dos milhares de gafanhotos expressou aleivosias despropositadas relativamente ao Norte de África
O Estado português tem tido uma atitude provinciana face a este esbirro nobelizado: afinal de contas é o único Nobel literário do país e convém não hostilizá-lo. Eu saberia muito bem o que fazer com ele. Negociava-se com o governo espanhol (com um tal sapateiro) a extradição do senhor para o único sítio onde este ainda faz sentido: o Museu de História Natural de Londres, onde seria etiquetado como o derradeito fóssil do comunismo primário. Ser-lhe-ia permitido continuar a escrever; afinal ainda é a única coisa que o assemelha a um ser humano.