segunda-feira, fevereiro 28, 2005

A Razão dos Óscares

oscars

Procurando premiar os artistas que se destacaram nesta nossa telenovela mexicana chamada Portugal, eis os Óscares da Razão:

Melhor Argumentista – Jorge Sampaio
Escreveu o melhor enredo novelesco do último ano, conseguindo enganar todos sobre as suas reais intenções, até os debilóides membros do seu miserável partido.

Melhor Realizador – Durão Barroso
Realizou o melhor film noir que a direita portuguesa alguma vez conheceu desde 1974. Recém-chegado a Bruxelas, quis criar uma sequela europeia da coisa, mas foi travado a tempo pelos Estúdios da Comunidade Europeia. Ainda assim tem um papel de destaque a nível nacional.

Melhor Actor Principal – Carlos Cruz
É impressionante como conseguiu manter a pose e um discurso coerente de inocência quando já toda a gente percebeu que está a actuar (e bem!). Podes parar meu, toma lá o Óscar.

Melhor Actor Secundário – José Castel Branco
Prisioneiro da sua própria caricatura, criou um personagem tão aberrante que tornou Quinta das Nulidades um freak show ao nível dos nossos amigos americanos.

Melhor Actriz Principal – Ana Afonso
Ninguém esquecerá o papel de púdica inocente que desempenhou no mais famoso freak show nacional. Naturalmente que teve uma ajuda da equipa de produção do programa, que cortou as partes onde esta abocanhava generosamente partes íntimas de outro concorrente. Depois do programa acabar, percebeu-se o quão boa actriz (e atrás) tinha sido.

Melhor Actriz Secundária – Manuela Moura Guedes
Ganhou este galardão com a sua performance na noite eleitoral interpretando, aos pulinhos, o papel de uma galdéria excitada, com pretensões intelectuais.

Melhor Banda Sonora Original – Hino de Campanha de Santana Lopes
O menino guerreiro, coitadinho e chorão, arrasou por terra o concorrente mais directo e já premiado em Hollywood, o “Gladiador”.

Melhores Efeitos Especiais – Operação Nariz Vermelho
Estão ainda por descobrir os comediantes que colaram narizes vermelhos nos cartazes de alguns dirigentes políticos em campanha, embora tudo aponte para que tivesse sido uma tribo somalis chefiada por Jerónimo de Sousa.

Melhor Filme de Animação – O Desgoverno Constitucional de Santana Lopes
Apesar de ter sido uma curta metragem, foi uma animação do caraças! Durante 4 meses o país mais pareceu uma cambada de looney tunes desatinados e desgovernados.

Prémio de Carreira – Pinto da Costa
Apesar de tudo e mais um par de botas, o homem continua lá firme e hirto que nem uma barra de ferro, sem um pinguinho de ferrugem.

A Razão congratula todos os premiados e informa todos os candidatos que para o ano há mais. Bem hajam!