sexta-feira, fevereiro 18, 2005

A Razão dos Bruxos

bruxos
Dantes julgavam-nos sumariamente, amarravam-nos a uma estaca, e acendiam-lhes um fósforo, num devoto exercício de cristianização pelo fogo. Agora dão-lhes espaços publicitários nas revistas e na televisão, convidam-nos para talkshows, e pagam-lhes dezenas de contos só para ouvir o que têm para dizer . Nem todas as profissões se podem gabar de ter sofrido uma reabilitação social tão profunda como os bruxos. O que dantes era bruxedo agora passou a ter estatuto de consulta, e entrou no dia a dia dos portugueses. O bruxo está para os portugueses como o psicanalista está para os americanos: é bem toda a gente ter um. E entre mézinhas e maus olhados os gajos vão facturando e gozando que nem uns perdidos, com os perdidos que diariamente lhes enchem o “consultório” à procura de um sentido para a vida, de um amor que tarda a chegar ou que insiste em partir, à procura de um consolo qualquer que lhes acabe, pelos menos temporariamente, com o angst existencial.
Pergunto-me como é possível alguém acreditar (e pagar!) a charlatões do estilo Linda Reis para “tirar a tusa” (palavras da própria Linda) a alguém, usando para isso umas cuecas usadas pela vítima do suposto feitiço? Não era mais fácil mostrarem-lhe uma fotografia da própria Linda Reis? Ou optar por uma solução mais definitiva tipo Lorena Bobbit?
Pessoalmente acho que profissões que desenvolvem formas de parasitismo social (bruxos, jornalistas, advogados, funcionários públicos, e outros), aproveitando-se da fragilidade dos outros, deveriam ser erradicadas exemplarmente. E nesse sentido considero que a tradicional abordagem cristã para o problema até continha algumas virtudes. Naturalmente que eu preferiria uma solução que metesse somalis, mas os gajos são normalmente supersticiosos...