terça-feira, fevereiro 22, 2005

Razões Socráticas

bc9010-025
Os acontecimentos dos últimos dias fizeram-me perder a Razão. Não era nada que não estivesse à espera, confesso. Mas olhar para a coisa em directo fez-me levar um choque de realidade que me deixou sem vontade de escrever fosse o que fosse durante 48 horas. Uma espécie de letargia atávica só semelhante a um qualquer professor. Esta espécie de aparvalhamento docente atingiu o seu pico nas declarações de vitória do líder dos socráticos. Bem sei que homem não foi eleito por mérito próprio, bem sei que foi o demérito dos candidatos concorrentes que o levou, numa espécie de Disneylândia bacoca, à maioria absurdamente absoluta. Mas o gajo podia ao menos ter-se esforçado para disfarçar o vácuo existente entre as suas orelhas. O que ouvi foi uma série de bárbaras banalidades que o tipo levava escritas numa folha de papel (nem quero imaginar quando ele tiver que improvisar). Seria de esperar que ao menos alguém lhe escrevesse uma coisita minimamente razoável para um discurso de vitória histórica. Mas quis a história, e o parco QI do indivíduo de olhar bovino, que os 2,5 milhões e meio de desesperados votantes ouvissem um dos discursos mais pobres e vazios da história política portuguesa. “Ganhámos. Tivemos a maioria absoluta. Por isso ganhámos. Conseguimos. Mostramos ser possível. Vou governar com pessoas competentes. Não sei quem são, mas serão competentes”, e assim por diante, num chorrilho de banalidades embrutecidas, que só não são embrutecedoras porque ainda agora começou, e é como já se tivesse visto o filme todo. Um povo que elege absolutamente um manequim foleiro da Rua dos Fanqueiros merece tudo o que lhe possa vir a acontecer. Com toda a Razão!