quinta-feira, fevereiro 17, 2005

Razões Evolucionistas

darwin

Apesar da consternação que a coisa gerou na altura, Darwin tinha razão quando afirmou que o homem descendia do macaco – basta olhar à nossa volta na rua para a fronha de alguns mamíferos para se dissipar qualquer sombra de dúvida sobre esta questão. Onde Darwin se espetou ao comprido foi na teoria da “sobrevivência do mais apto”. Para quem já se esqueceu disto, Darwin dizia, grosso modo, que os animais com maior capacidade de adaptação ao seu meio ambiente eram aqueles que acabavam por sobreviver, desenvolvendo aptidões específicas que lhes permitia levar vantagem sobre os outros animais. Uma espécie de upgrade genético, sem a necessidade de pagar seja o que fôr ao Bill Gates.
Se Darwin tivesse vivido nos dias de hoje e olhasse para os cinco candidatos políticos às eleições portuguesas, a teoria da “sobrevivência do mais apto” nunca teria conhecido a luz do dia. Primeiro porque teria imensa dificuldade em perceber como é que cada um destes 5 inaptos conseguira chegar à liderança dos seus respectivos partidos, tendo que pôr naturalmente em questão a aptidão dos indivíduos que os elegeram a chefes de partido. Depois porque, olhando para os resultados da votação eleitoral (a tal que vem aí no final desta semana) concluiria que, ao eleger um candidato inapto, o povo português demonstrava uma impressionante inaptidão para se apetrechar convenientemente de maneira a levar vantagem (ou pelo menos não ficar em desvantagem) face a outros povos. Observando tudo isto, o mais normal seria que Darwin formulasse a teoria do estupidamente inapto: “os animais que estupidamente se deixam ser liderados por outros animais pobremente apetrechados, merecerão toda a merda que estes últimos farão, e serão dignos de vivenciar dolorosas dores no esfíncter e distúrbios nos movimentos peristálticos, provocados por uma tribo de somalis devidamente untadinhos”.