segunda-feira, fevereiro 14, 2005

Razões Estupidificantes

eleitoralistas
Inevitavelmente acabo por apanhar com tempos de antena dos nossos brilhantes partidos políticos em campanha. Normalmente faço zapping para outros canais menos engajados, mas ontem fiquei surpreendido com as razões políticas de um deles.
Sabemos bem que a razão política para a existência de um partido é, em última análise, o “tacho”. Nem vale a pena perdermos muito tempo com isto, porque estaremos certamente todos de acordo. Mas o que é curioso é a embalagem que os partidos dão ao “tacho”, procurando convencer (não sei bem quem) que a sua proposta política é nobre em ideais, e em intenções de transformar esta província desgovernada em qualquer coisa mais parecida com um país. Alguns partidos são menos inteligentes que outros em dar um conteúdo relevante às suas propostas, e a prova disso é o Partido da Nova Democracia.
Se houvesse um prémio para a embalagem política com pior design seriam estes alarves peçonhentos a ganhá-lo. Uns gajos que vêm para os seus tempos de antena dizer que a sua principal preocupação são as mulheres que decidem deixar de trabalhar para ser mães, tentando convencer-me que estas abraçam a maternidade como se de uma profissão se tratasse, exigindo um salário mensal para que estas estejam em casa a desempenhar a sua função de mães só podem estar a achincalhar-me, e a todo o eleitorado.
Estes palermóides desprovidos de ideias arranjaram o pior eixo de campanha que seria possível imaginar. Então agora as mulheres que decidem fazer nenhum e desatam a ter filhos que nem coelhos devem ganhar um salário mensal? Já agora porque não lhes dar uma carteira profissional, como as meretrizes histéricas dos jornalistas? E porque não também um Sindicato das Domésticas com Filhos? Estou a imaginar estas gajas a fazerem greve para serem remuneradas por horas extraordinárias quando estão acordadas até tarde à espera que os filhos voltem da discoteca. Tenham juizinho...
Que os partidos políticos são, principalmente nos dias que correm, verdadeiros baldes de estrume onde a única coisa que muda é a côr do balde, já toda a gente sabe. Mas isso não lhes dá a liberdade de acharem que podem gozar com o eleitorado. Este partido de tias dondocas, sem qualquer talento nem rendimento, merecia mesmo uma tribo de somalis que aparentasse os futuros filhos de todas estas senhoras em campanha eleitoral.