sexta-feira, fevereiro 04, 2005

Razões Distantes

serach1
A meio do dia de ontem reparei que não estavam lá, no sítio onde normalmente as apanho. Não liguei, achei que tinham ido dar uma volta e que regressariam mais tarde. Mas não. O tempo passava e nada. Nem sinal delas. Comecei por procurá-las dentro de casa. Vi debaixo da cama, por detrás dos reposteiros, dentro dos armários, na cave. Népia. Liguei a televisão e vi dois palhaços a degladiarem-se, à espera de um polegar levantado no coliseu eleitoral. De certeza absoluta que ali elas não estavam. Acabei por sair de casa e passear no jardim em frente, podia ser que estivessem para ali sentadas num dos bancos a dar de comida aos pombos. Mas nem os pombos lá estavam. Desci a rua e peguei no carro. Conduzi um bom par de horas pela cidade, olhando nervosamente para os lados enquanto, ao mesmo tempo, ligava do telemóvel para as esquadras de polícia e para os hospitais. Até cheguei a ligar para a morgue. Ninguém fazia ideia onde elas andavam. Por uns momentos pareceu-me tê-las visto de relance depois de um cruzamento. Mas não, falso alarme. Já noite dentro acabei por desistir - provavelmente foram de fim de semana mais cedo, pensei. E pensando nisto publiquei o último post da semana, desta vez sem razões.